Buscar
  • Mário de Almeida

Zero Hora: a nova identidade do Atlético-PR

Atualizado: Fev 13

Custódio Cesar de Almeida, advogado especialista em propriedade intelectual escreve sobre as mudanças de nome, uniforme e escudo do clube paranaense



Além de conquistar a Copa Sul-Americana 2018, outra novidade marcou os últimos dias do Atlético-PR: a mudança na identidade visual. Na intenção de se diferenciar de outros times e resgatar o passado, o clube optou por voltar a usar o primeiro registro, de 1924, “Athletico”. Mas esta alteração no escudo gerou polêmica nas redes sociais. É que a nova versão é muito semelhante a outras como a da marca Honda e, especialmente, uma logo de corridas femininas da empresa Nike, podendo configurar cópia.


O fato provoca uma reflexão importante sobre a produção criativa no nosso país. Pode parecer óbvio, porém é importante ressaltar que, durante o desenvolvimento da marca, é necessário muito cuidado em ser original e estar atento para que uma inspiração não se transforme em uma reprodução. Depois de todo o trabalho idealizado, se a Nike tiver o registro da marca, pode acionar a Justiça e suspender a circulação do escudo, especialmente dos produtos de vestuário e para prática de esportes.


O criador do novo símbolo do Atlético nega ter copiado e afirma que a semelhança foi uma coincidência, mas vale lembrar e fazer um alerta: Quanto maior a diferença em relação às demais, mais a empresa ou o produto será lembrada de forma singular pelo público. Infelizmente, não é o que acontece muitas vezes.


Em alguns casos, empresas que já tinham feito seu conceito visual, precisaram mudar tudo. Nesse processo, ocorre um significativo investimento financeiro, além da perda de tempo e credibilidade.


Podemos imaginar o impacto que isto causaria em um clube como o Atlético-PR. A situação poderia ser evitada com uma busca prévia, fazendo uma rigorosa análise no banco de dados do Instituto Nacional de Propriedade Intelectual de acordo com diversos parâmetros. Quanto mais minuciosa a pesquisa, menor a chance de insucesso, já que a propriedade intelectual exige estratégia e planejamento. É o maior bem de qualquer empresa ou clube e merece esse cuidado.


Fonte: Gaucha ZH

0 visualização